quarta-feira, março 12, 2008

A vida que agente leva.

Sabe aqueles dias em que a tristeza não cabe dentro de vc.
Aqueles dias em que tudo parece conspirar pra te deixar mais triste.
E meu horoscopo disse que o meu brilho e magnetismo encontra-se em alta.
Só se for pra puxar energia negtiva.
E meu corpo não aguenta a pressão e parece que vai partir.
E nada colabora e não consigo mais ser forte.
A solidão me corrompe e sabe... alguns ficaram bravos por eu dizer isso.
Aqueles que sempre falam: Pode contar comigo sempre, mas exatamente quando eu preciso eles não estão do meu lado.
Estou cansada das exigencias que fazem pra mim, cansada do insucesso, cansada da rotina.
E volto ao ponto de partida em que não me conheço mais e nem sei pra onde ir.
Sinto falta de carinho sem intenções, sinto falta de um amor amigo de verdade, sinto falta de um pedaço de mim que se perdeu em alguma parte do caminho que fiz de olhos fechados, e por isso não sei voltar.
Eu que sempre fui esperta, decidida e feliz até nas minha infelicidades hoje percebo como sou fraca e frágil como uma flor. Eu que sempre achei que não precisava de ninguém sinto falta de alguéns, alguéns insubistituíveis e mesmo que ainda estejam na minha vida não estão ao meu alcance.
E a solidão aparece mais uma vez na multidão.
Quem eu sou e não sei mais e não quero tentar descobrir, só sumir!

Um comentário:

gotico disse...

Não li seu blog porque achei que não seria certo. Cruzei com ele por acaso e li só essa mensagem. A vida toda nos deparamos com bifurcações. Escolhas. Quando estamos andando na rua e enxergamos uma nota de R$50,00. Bifurcação. Pegar ou não. O mesmo acontece com pessoas. Elas aparecem na nossa vida do nada, algumas valem R$1,00, outras R$100,00, outras não valem nada, mas sempre temos a escolha de deixá-las entrar ou não em nossa vida. Escolhas. Não precisamos fazer nada além de impedir que o medo ou a desconfiança, ou mesmo o descaso, nos impeçam de descobrir que alguém que aparentemente não fazia diferença poderia nos fazer muito felizes. Sempre fui muito tímido e medroso. Falei não a muitas pessoas na minha vida. Falei sim a pouquíssimas. O que me impressiona é que tive muito mais decepções pelos nãos que falei. Abrir nossos olhos é a melhor forma de não pegarmos o lado errado da bifurcação. RODRIGO